Resenha / O Ano em que disse Sim

Para ler o livro em si, recomendo ligar o som bem alto e escutar “Where does the good go” (Tegan & Sara), a experiência será recompensadora, ok? Agora, devo confessar, “O Ano em que disse Sim” se transformou em um livro que me fez mergulhar dentro de mim, que me fez repensar diversas coisas e que, com certeza, me fez levantar a cabeça, sacudir a poeira e dar passos firmes em uma direção melhor.

livro shonda rhimes

“Você nunca diz sim para nada. Foram essas seis palavras, ditas pela irmã de Shonda durante uma ceia de Ação de Graças, que levaram a autora a repensar a maneira como estava levando sua vida. Apesar da timidez e introversão, Shonda decidiu encarar o desafio de passar um ano dizendo sim para as oportunidades que surgiam. Os sins iam desde cuidar melhor de sua saúde até aceitar convites para participar de talk shows e discursos em público. Além disso, Shonda deu um difícil passo: dizer sim ao amor próprio e ao seu empoderamento. Em O Ano em que disse sim, Shonda Rhimes relata, com muito bom humor, os detalhes sobre sua vida pessoal, profissional e como mergulhar de cabeça no Ano do Sim transformou ambas e oferece ao leitor a motivação necessária para fazer o mesmo em sua vida.”

Logo no primeiro capítulo percebi que não seria um livro qualquer, daqueles leves e que a gente lê sem se importar, no início já comecei a me ver na obra de Shonda, observando sua família e vendo tanto da minha. Aliás, ri (e chorei um pouquinho só) durante os trechos em que a autora conta sobre suas irmãs e tudo mais. Também percebi que já usei muito a “Conversa de atleta” (entenda mais na pág. 38!) e que preciso realmente ser menos competitiva e cultivar mais empatia.

Durante a leitura, me encantei mais com Oprah, decidi começar a ver Scandal, voltei a assistir Grey’s Anatomy, terminei de ver How to Get Away With Murder e o coração ficou todo mole quanto ao Scott Foley. E, claro, treinei muito minha pose do poder, tipo a Mulher-Maravilha! Ah, Shonda Rgimes realmente entende das coisas e, de forma sincera, repassou muito do que entende para os leitores da obra. Ela até fala de Doctor Who (pág. 194, ok?)! Isso sim é uma mulher incrível!

Na obra, existem dois discursos que ela fez e, preciso contar para vocês, ambos são ótimos! O primeiro em si, me fez respirar fundo enquanto terminava de lê-lo, sendo que li o mesmo trecho mais de uma vez. Aqui, devo contar que existem três lições essenciais que Shonda disse e que fazem todo o sentido. No spoilers!

Hey! Preste atenção em algo agora: Hashtags são divertidas. são legais, mas não são nada além disso. Se mover, realmente, é essencial. Se voluntarie. Faça o melhor possível, dê o seu melhor, mude o mundo ao seu redor, mas para isso, levante desta cadeira, ok?

Ah, não só de família, trabalho e luta o livro trata, mas também de saúde, física e mental, de amizades verdadeiras (ou daquelas que a gente só acha que são), roupas e moda (Yey!), sobre ser durona e a importância disso e, claro, sobre Cristina Yang (Grey’s Anatomy ♥), amor por si e pelos outros e muito mais. Na realidade, a obra fala sobre a vida e, mais do que falar, nos faz desenvolver um maior entendimento e nos faz acordar para ir a luta. Com certeza, leitura recomendada! Leia, leia, leia!!!

o ano em que disse sim“O Ano em que disse Sim” ocorreu anos atrás para Rhimes, mas para mim é só o início. Agora, sentada e escutando a música mais uma vez, estou sorrindo, pois tomei certas decisões após a leitura. Me comprometi a ser melhor, a fazer melhor e a dizer mais sim. Apostei comigo mesma e a única opção é vencer, tendo como resultado mais felicidade a cada dia.

Livro: O Ano em que disse Sim

Autora: Shonda Rimes

Editora: Best Seller

Clique aqui para comprar o seu exemplar pelo link do Bookeando.

[Importante! Esse post foi escrito pela Yasmin Bueno em parceria com o Bookeando e faz parte do nosso conteúdo compartilhado. Visite The Yasmin Bueno para mais informações.]

About Rafael Nery

1) Geminiano e Nerd 2) Adoro usar xadrez 3) Amante de quadrinhos, games, filmes e desenhos 4) Estudioso da cultura japonesa 5) Viciado em literatura fantástica